Portal Julio Santos - siteocr

 ©R 2016/2019 Comunicação e Participações S.A
Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Portal Julio Santos





1º dia de setembro de 2012, Fizemos um café da manhã maravilhoso onde participaram as famílias dos integrantes da viagem, tiramos fotos e filmamos a saída.  As 07:45 já estávamos na estrada para tão sonhada viagem. As motos se comportaram bem, apesar do calor de 40 graus. Paramos em Barra do Garça MT para aproveitar o peixe na beira do Rio Araguaia e uma cerveja muito gelada e onde vamos pernoitar, segue as fotos.







2º Dia Na manhã de hoje fomos surpreendidos pela decisão tomada pelo Pardal, o mesmo resolveu fazer voo solo, não quis continuar a viagem com a gente, fomos pegos de surpresa e não entendemos nada, mas desejamos a ele uma excelente viagem.
Acordamos cedo e saímos as 06:45h, abastecemos as motos rumamos para Cuiabá, por causa do calor de 40 graus, mas ainda tivemos tempo de passar na Chapada dos Guimarães, uma paisagem linda em que as fotos não detalham a beleza vista, chegamos em Cuiabá as 16h e ficamos para pernoitar.







3º Dia Hoje a viagem rendeu, acordamos ás 4h da manhã, saímos do hotel chinfrim em Cuiabá e aceleramos rumo  a Rondônia, andamos no total de 1000 kms, chegamos em Pimenta Bueno em Rondônia. A viagem foi tranquila, pegamos um pouco de chuva para refrescar os 40º habituais. A noite saímos para comer um espetinho de carne com acompanhamento, apenas 7 Dilmas de real. seguem abaixo as fotos.









4º Dia Hoje superamos todas as nossas forças, saímos as 06h45  de Pimenta Bueno e chegamos em Rio Branco AC as 23h, com um calor de 40 graus e uma sensação térmica de pelo menos uns 50 graus, com direito a chuva de vento. Atravessamos a Balsa do Rio Madeira e tiramos fotos muito bonitas, mas que não vai ser possível postar agora tendo em vista o meu 3g pega lento, a internet do hotel é uma “M”. Obs: assim que for possível postamos as fotos.  
5º dia de viagem, já em Rio Branco capital do Acre, levantamos cedo depois de pilotar no dia anterior de 6h45min até as 23h, o corpo ainda sentia o esforço, foi preciso tomar um dorflex para aliviar a dor. Fomos na autorizada da Yamaha para trocar o óleo das motos e fomos muito bem tradados, eles até lavaram as motos e não nos cobraram nada, foram super atenciosos “Recol Motors Yamaha”, parabéns aos amigos da Yamaha, apesar de nossas motos não pertencerem a marca deles nos atenderam super bem. Na ida de Rio Branco até Assis Brasil a BMW do Filé quebrou um polo da Bateria por causa da trepidação da Via que liga Rio Branco a Assis Brasil, pois ela estava muito ruim e cheio de Buracos. Demos um jeitinho brasileiro para chegar até Epitaciolândia, procuramos um eletricista chamado Sandro, o rapaz é bom no que faz e muito atencioso, obrigado aos amigos que nos ajudaram. Chegando a Assis Brasil fizemos os tramites da aduana para sairmos no 6º dia direto sem ter que perder tempo, segue as fotos.


Publicado em 29 de set de 2012<br />Viagem de Moto ao Peru, Chile e Argentina, feita de 01 a 22 de setembro de 2012, as motos usadas foram a Kawasaki Versys e a BMW G650gs.<br />Blog da viagem (julio-barao.blospot.com.br)<br />Categoria<br />Viagens e eventos<br />Licença<br />Licença padrão do YouTube
6º dia, Enfim entramos no Peru literalmente.  Saímos as 7h30min, depois do desayuno no hotel em Assis Brasil, já tínhamos feito a entrada no Peru na noite anterior, então foi mais fácil, pois saímos direto. Depois de duas horas de estrada a moto do Filé deu o mesmo problema na bateria, tivemos que desmontar tudo para arrumarmos, levamos mais ou menos uma hora. Esquecemos de fazer o seguro das motos (Soat) e passamos sufoco nas blitz nas entradas das  cidades, sorte que não nos pararam. Passamos por Puerto Maldonado em direção a Cuzco depois de subir e descer muito, já estava escurecendo e resolvemos perguntar quanto tempo para Cuzco,
falaram cinco horas, não podíamos continuar, pois iríamos passar nos Andes a noite o que não é uma boa ideia, então resolvemos procurar uma hospedagem, depois de sermos rejeitados pela maioria das hospedagens, “acho que não gostam de motociclistas”, encontramos uma com banheiro fora do quarto e a água do banho gelada que doía, não perdemos tempo e nos hospedamos, era a única que nos aceitou.
Olha o palhaço do Filé
7º dia, A subida dos Andes. Saímos cedo de uma cidade que não descobrimos o nome, no meio do caminho de Puerto Maldonado até Cuzco, e começamos a subir a tão temível cordilheira dos Andes. O bicho foi mais manso do que pensávamos e não fez tão frio assim, só o File e que ficou ligado em mastigar a folha de coca. Ficamos encantados com a beleza das geleiras que formam no cume dos picos mais altos, sem contar que as curvas são tão acentuadas que você consegue ver a placa da sua moto. Outro atrativo são as lhamas que vimos ao longo do caminho. O ponto mais alto que atingimos foi o de 4725 mts, que foi registrado nas filmagens, não paramos porque estavamos com falta de ar. Chegando em Cuzco na praça das armas, nos hospedamos num hostal (pequeno hotel), e marcamos o passeio para Machu Picchu no dia seguinte. Fomos a Praça das Armas onde estavam festejando uma data típica da região, aproveitamos para tirar boas fotos.
8º Dia, estamos presos em Machu Picchu. Uma coisa interesante aconteceu com a gente, acordamos as 2h30min, para pegar a Van que iria nos levar até a estaçâo de trem, pegamos o trem e fomos a Aguas Calientes, pegamos um ônibus eté Machu Picchu. O passeio durou duas horas, com direito a subidas e descidas de escadas íngrimes, passeio maravilhoso, mas cansativo. Bom, resolvemos voltar para o hotel, pois já tinhamos visto tudo e tirado um milhâo de fotos, ai aconteceu uma coisa que nâo contavamos, a empresa de turismo marcou nossa passagem de trem para 21h, tentamos trocar os bilhetes, mas e norma da companhia e de nâo trocar os bilhetes, moral da história, estamos presos em Machu Picchu até a noite, o frio jà está apertando. O passeio é interesante, vale a pena, só que o jeitinho Brasileiro aquí náo funciona, seguem as fotos da cidade escondida dos Incas. Amanhâ estaremos na estrada para Juliaca e Puno onde visitaremos as ilhas flutuantes.
10º dia, hoje fomos conhecer o povo de Uros, as famosas ilhas flutuantes no lago Titicaca. Construídas em Totora (um tipo de junco) elas estão ancoradas apenas a meia hora de Pumo. Vivem ali 1800 pessoas, divididas em 70 ilhas. Filmamos e tiramos muitas fotos magníficas, pena que não dá para colocar tudo no blog, um abraço.
9º dia, saímos de Cuzco as 9h30min, fomos em direção de Puno para visitar as ilhas flutuantes, mas no caminho vimos paisagens belíssimas de tirar o fôlego, literalmente, pois na altura que fomos fica difícil respirar, quando fazemos algum esforço falta ar. Passamos por dentro de Juliaca para irmos para Puno, foi um inferno, é a verdadeira cidade de Malboro, ganha quem buzina mais ou é mais corajoso. Chegamos a Puno umas 15H30, nos hospedamos e marcamos a visita as ilhas flutuantes do lago Titicaca, segue abaixo as fotos.
12º dia, hoje saímos de Árica Chile e andamos 600 kms, até Tocopilla Chile, foi uma viagem incrível. De Árica a Iquique andomos 311 kms sem nenhum posto, tivemos que andar numa velocidade menor para não gastar muito combustível, nesses 600 kms que andamos hoje não vimos nenhuma arvore, a não ser nas cidades, saiu da cidade e só deserto, uma coisa interessante e que andamos hoje pela litorânea por 240 kms, de um lado o deserto de outro o oceano Pacifico, hoje podemos dizer que somos homes de dois oceanos, seguem as fotos.
11º dia, saímos de Puno Peru às 6h40min, e fomos em direção a Tacna, passamos por uma região com aspecto lunar, um deserto sem vegetação, uma paisagem sombria e bonita. Atravessamos as cordilheiras pelo lado Peruano e chegamos a Arica no Chile. Entramos no Chile sem nenhum peso chileno, não conseguimos fazer o Câmbio, nos instalamos em um hotel no centro de Arica, hotelsinho sem vergonha, não tem café da manhã e tivemos que pagar o estacionamento das motos. Mas valeu, já passamos mais uma etapa da nossa viagem.
13º dia, La mano do deserto e San Pedro de atacama, hoje saímos de Tocopilla às 8h, e fomos em direção a mão do deserto, um marco para qualquer motociclista. Depois fomos em direção a San Pedro de Atacama, chegamos às 18h, foram um total de 600 km de deserto onde pegamos muito calor e frio, amanhã vamos nos geisers e banhos termais, seguem as fotos de hoje.
14º dia, Geisers Del Tatio, levantamos as 3h30min da madrugada para o passeio no Geisers  Del Tatio, enfrentamos um frio de  5º graus negativos, mas valeu apena, muito interessante. O Barão tomou um banho nas piscinas termais, quase morreu de frio.  Chegando a San Pedro encontramos um grupo de motociclistas mineiros e logo fizemos amizade, são pessoas muito interessantes, almoçamos juntos e vamos tomar umas “cervezas frias” a noite e contarmos as aventuras das viagens, amanhã seguiremos rumo a Argentina, seguem as fotos.
15º dia, hoje chegamos a aduana do Chile as 8h, só fomos atendidos as 12h15min, descobrimos o quanto o Chile tem que melhorar e tratar os turistas com mais dignidade, nos turistas levamos dinheiro para sustentar San Pedro de Atacama, tínhamos que ser respeitados, saímos chateados. Enfim fomos liberados e partimos para a Argentina, a Aduana Argentina foi rápida, abastecemos as motos e partimos para JuJuy, no caminho subimos e descemos montanhas lindíssimas e conseguimos tocar em uma parede de gelo, foi muito legal. Chegamos a Jujuy as 19h e fomos procurar um hotel, perguntamos a muitas pessoas, mas a má vontade imperou, conseguimos achar uma lanchonete e almoçamos e jantamos ao mesmo tempo, pois até aquela hora não tínhamos comido nada. Resolvemos ir embora de Jujuy, perguntamos para um motorista de ambulância onde era a saída, foi o único que nos deu informação certa, um Argentino legal, fizemos como ele nos disse e encontramos um Hotel na saída, resolvemos ficar no Hotel, pior decisão não poderia ser o hotel e muito chinfrim, mas ficamos mesmo assim, seguem as fotos.
16º dia, hoje acordamos as 6h e 6h30min já estávamos na estrada, saímos de Jujuy em direção a Ruta 16, erramos o caminho o que fez a gente andar uns 25 km a mais.  Tudo bem, estamos de férias, andar um pouco a mais não tem problema. Depois de acertar o caminho fomos em direção a Corrientes, foram um total de 889 kms. Não achamos hotel em Correintes e seguimos adiante, 37 km depois de Corrientes achamos uma cidade turísticas, banhada pelo Rio Paraná chamada de Paso de La Patria às 21h30min. Bom mais vamos falar um pouco de como somos tratados pelos hermanos. Passamos muita raiva hoje, eles simplesmente demonstram que nos odeiam, fico triste pois não gosta de ser tratado com preconceito, acho que depois dessa vale apena repensar sobre o preconceito e algo terrível que demonstra o quanto o ser humano pode ser mau. A situação ficou tão ruim que decidimos que não iríamos conhecer nada nessa terra. Simplesmente aceleramos para tentar chegar ao Brasil o quanto antes. Mas sempre a uma exceção ou muitas, mas só achamos dois, um motorista de ambulância e um senhor muito distinto em Corrientes (Senhor Andrés Ghiggeri) que nos atendeu muito bem. São pessoas como essas que fazem a gente repensar, nem todo mundo e igual, o mundo ainda tem salvação ou a Argentina, kkkkkk.
Agora vamos falar das nossas motos, são fantásticas, simplesmente ficaram acelerando 15 horas seguidas, nós não estávamos mais aguentando, pegamos uma reta de 500 kms de sol escaldante, passamos nos Paso Del Inferno, com a temperatura de pelo menos 45º a sombra, mais a roupa de Cordura, fica mais ou menos 55º, e de derreter qualquer ser humano.
17º dia, chegada ao Brasil, hoje saímos de Paso de La Patria 09h e chegamos em Foz 16h, rodamos 600 km, preferimos não almoçar para não dar sono, só foi a gente chegar no hotel caiu um pé d’água em Foz que derrubou muitas árvores na cidade, inclusive casas, o trem foi feio. Tomamos umas Skol no hotel mesmo, afinal estávamos com saudades da cerveja brasileira, tomamos um banho e fomos lanchar no Shopping, não resistimos e comemos um filé a parmegiana. Uma coisa legal foi na entrada do Brasil, bem na ponte, estávamos com tanta saudades que beijamos o chão, ficamos muito alegres de chegar nessa Pátria maravilhosa. Depois mando as fotos
18º dia, compras no Paraguai, hoje fomos ao Paraguai comprar as encomendas da família, demos um trato nas motos, trocamos óleo pastilha de freio da BMW, troquei os pneus da Versys. Queríamos agradecer ao Rogério da RMMOTOS por ter dado um trato na BMW, trocando as pastilhas da roda traseira e ajustando a corrente. Depois voltamos para o hotel, não tiramos fotos hoje.
19º dia, Compras, hoje foi um dia de compras em Foz, almoçamos em uma churrascaria, trocamos o pneu da BMW, e ficamos a noite no hotel, não tiramos fotos.
20º dia, viagem de volta, saímos as 7h em direção a Brasília, andamos o dia inteiro, tiramos fotos na divisa do Paraná com São Paulo e dormimos em Nova Granada, aproveitamos para tirar umas fotos na praça da cidade, seguem as fotos
21º dia, estamos chegando., hoje saímos cedo e andamos 600 km, e paramos em uma cidade antes de chegar em Goiânia, estávamos cansados, o batidão  é forte, amanhã sairemos cedo para chegar mais ou menos umas 10hs. Tiramos uma foto na divisa de Minas com Goiás.
22º dia, enfim chegamos, enfim chegamos, apesar de ser um tempo curto para uma viagem desta proporção, fizemos em um tempo bom, parando o suficiente para conhecer o principal de cada lugar. Gostaria de agradecer nossas famílias que nos deram apoio para essa empreitada e que nos receberam além do que merecíamos, somos abençoados pela família que temos, fizeram até faixa para a recepção. Foi uma viagem longa, cansativa, desgastante, mas muito compensadora, pois conhecemos lugares lindos, famosos e um pouco de cada povo. O que menos nos cativou conforme já declarado em outras postagens, foi o Argentino, talvez um pouco por causa da rixa do futebol, também acho que a bandeira no baú da moto de certa forma provocou um pouco os hermanos, que de irmãos não tem nada. Enfim quero agradecer ao meu companheiro de viagem, uma pessoa inigualável, um amigo do peito, um irmão que não tive, obrigado Barão por me proporcionar uma companhia interessante, que me acalmou em algumas horas, principalmente na Argentina, desculpa amigo por alguma coisa que tenha feito e de certa forma não foi de seu agrado, você é uma pessoa especial e sou um privilegiado por ter um amigo como você. Seguem mais fotos.
 
Copyright 2016. All rights reserved. Algumas fotos e comentários são extraídos da internet, caso os autores não gostem, entrem em contato
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal